Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Um simples detalhe pode fazer grande diferença na vida da mulher


Supervalorizar o que considera um defeito traz baixa auto-estima
Por Wilderlan  Souza do Blog Cheque Master

"A balança mostra que está acima do peso, o rosto já não é como antes e o corpo é repleto de defeitos. Essas podem ser algumas observações – principalmente de mulheres – capazes de levar a uma autoestima frágil, com possibilidade até mesmo de interferir na relação com as pessoas ao redor.

Para a psicóloga Roseleide da Silva Santos, o problema se agrava quando a mulher tem outras coisas como referência. “Há quem se ache gorda, por exemplo, porque sabe que tal peso corresponde a ser gorda ou magra, conforme os padrões da sociedade. Mas o pior é quando se sente gorda mesmo estando com peso abaixo da média.”

Essa maneira como a mulher se percebe pode interferir na forma como ela se relaciona com o outro. “Voltando no mesmo exemplo, quando a mulher se sente gorda, inevitavelmente está se comparando a outra pessoa, e isso é um grande problema que muitas têm: não se aceitar”, enfatiza Roseleide.

A mulher deve analisar outros fatores antes de considerar um detalhe como algo grave e que deve ser rapidamente mudado. “Ela precisa analisar o seu biotipo, herança genética, estilo de vida e saber que esse é o corpo que pode ter e não aquele que gostaria de ter, vendido como um corpo de mulher ideal, que é alta, magra e loira.”

O começo do problema

Quando a mulher não está dentro desse perfil rotulado, sua autoestima começa a ser afetada drasticamente. “Ela se sente rejeitada, frustrada, à margem da sociedade. Além de não se aceitar como é, por não estar conforme os padrões impostos”, explica a psicóloga.

É claro que se cuidar para manter a beleza natural e se sentir melhor consigo é algo benéfico, mas o problema nasce quando a vida da mulher fica somente em torno disso. “Excede aquilo que é saudável, o que é possível fazer dentro de sua realidade, porque não aceita estar fora do que é adequado segundo as regras impostas. É dessa forma que a mulher começa, muitas vezes, a se deformar, de tanto desejar ser e ter características de outras pessoas, que nem sempre ornam com seu corpo e estilo - além de se endividar cada vez mais.”

Começa aí também um consumismo desenfreado, em busca do padrão imposto, para, assim, se aceitar. “A consequência é se tornar um produto da mídia, da sociedade, da cultura, e deixar de ser ela mesma, de ter uma identidade pessoal e autêntica”, finaliza Roseleide."



Wilderlan  Souza

Até a próxima!

Pra. R Davis
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...